quinta-feira, 11 de junho de 2015

Fados

Tiraram-lhe há pouco a última perna. Mas não vai de cadeira de rodas, não, usa próteses, muletas, depois levam-no e canta, canta que canta. 
Sessenta anos, sabe o que são sessenta anos de fado? Uma lenda, tanta história... Toda a gente quer ouvir-lhe o fado. Se passa nas casas então querem todos. Ele só pergunta: «o senhor paga-me o jantar? Se não paga, não canto». Ou alguém paga ou alguém vai ter de pagar, é justo. Comigo é diferente. Eu tenho uma maneira de o levar na certa que é começar a cantar-lhe os fados. Aí tem de entrar, não falha. Então se o fado é dele... De uma maneira ou de outra ele canta, canta que é uma maravilha o fado. Canta melhor que ninguém. Também ninguém canta assim, sabe, à antiga? Não todo o fado, mas o seu fado, compreende? São os fados que canta, tem de gostar dos seus fados, de outra maneira não entram, não entram e então ele não entra no fado, não canta. Eu entendo isso, para mim não há nada pior que o fado mal interpretado. O fado quando não se sente não se canta. Se não se tem não se canta. Não sai de dentro é uma coisa horrível, falsa, artificial, reproduzida, horrível, nem sei explicar... Já ouviu o Fado Cravo, do Marceneiro? Então meta ali um desses maus cantores de hotel. E não é só no fado que é assim. Em qualquer música, olhe, a ópera. Os blues, claro. Tem de ser cantado como deve ser tocado. Está a ver a palavra tocado? Olhe para a palavra tocado. Tem de ser tocado mas também tem de ser tocado, entende? O português é uma língua extraordinária. Tocado e cantado, é a língua do fado.

quarta-feira, 10 de junho de 2015

Anti-Nota

1- Devia ter reparado nos seus olhares incompletos. Ainda bem que falo em generosidade, assim sempre mostro um pouco a costura do texto, o cozimento da entrelinha. Para quê?, perguntas tu. Para quê? Pois, também eu me vi obrigado a fazer tal pergunta. Para quê.

2 - Não acabou, que a generosidade é água que apagou seu fogo azul de ressentimento. Ressentimento pelo interesse, não era o texto, era a alma! Gira o disco, pode durar décadas, ninguém se rala. Eu ralo-me. 

3- Foi uma talada de verdade, não uma talada da verdade, e ainda bem, mas posso dizer que foi uma talada, lá isso foi, posso comprovar. Depois a pressão do tempo, o ódio ao marketing (pessoal), o bónus do veículo (promocional), a fatiota (armadura). Outros ainda usam guarda-costas.

Peso à altura

Queres escalar tua alta altura 
Levas com a força de gravidade
É esse o peso que carregas
Teu peso na realidade

sábado, 6 de junho de 2015

32.

Uma turista nova-iorquina nascida em Hong Kong bem te pode dizer que todos estes monumentos europeus no fim equivalem-se. Tudo velho. Quer portuguese cuisine e come umas tapas, também eu soube de uns alemães bebiam um vinho do Porto como vinho corrente,  quem sabe com umas gambas de permeio. Dinheiro torrado, torra-se. Diz que a América do Sul agora é que está a dar. Claro que é só nas zonas onde está a bombar, resortemo-nos pois de toda a violência, venha a nós o mundo novo que aqui cheira muito a tabaco.  A mim não cheira, respondo. Não acredito. Mas não há ninguém, contraponho. Não há, mas houve. Se foi há umas horas ou há uns dias não sei, mas houve. Cuidado, há governantes precavidos a legislar, nem no espaço público quanto mais. Tinha-me esquecido de John Le Carré. Também conta. Está metido na conversa. Claro que há aviões nos céus que não vemos. Estações que não conhecemos. Estações e terminais, no espaço e por aí fora fora o Big Money deixa os jornalistas tontos, é com cada noticiário. Não é preciso ter lido o melhor artigo de Miguel Sousa Tavares em anos para se saber o que é cada vez mais uma irrealidade. Pessoas não se sentem representadas. Então representem. Não sabem, coitadas. Contam o que conta do que conta. Aprontam-se a voltarem a dar o voto na ultra a um bando de impostores. É como o outro, foi reconduzido. Reconduzido no bando, perdão, no banco, no Banco de Portugal. Vá-lá que a minha amiga tem sorte e sempre se pode aproximar de alguma dessas estações directamente para o continente seguinte e não é o Continente Olivais Sul. Fazem lá ideia. Manhattan e um T1 a 5000€. Ali numa zona para o exclusivo. Os amigos piraram-se para os arredores. Fosse assim era todos os fins de semana em Veneza. Ou Las Vegas. Ou em Paris. Ou em Cascais onde ela diz que não há uma praia. Então se não é uma praia como queres tu que não seja minúscula? Queres ir a uma praia-praia vais ter de caminhar para lá da Boca do Inferno. Boca do Inferno, what is Boca do Inferno? Is the mouth of hell, very lovecraftian. Há muito vento, depois estamos em frente um ao outro. Socorro-me de Nietzsche e respondo que às tantas num casamento o que mais vale é a amizade... Já não preciso do grande filósofo alemão para dizer que quando se começa a competir com o parceiro está tudo estragado, o  prazo não sabemos... É um contar decrescente e a bomba pode nem explodir, se é um mês se dez anos... Há casos em ninguém dá por nada. A competição é desenfreada? Deviam ser amigos. Excesso de solicitações? Deviam ser amigos. Então e o amor? É preciso excluir o amor da amizade ou a amizade do amor? Claro que fica tudo sempre mais fácil se um levanta voo para qualquer lado, seja para o Irão, seja para as Filipinas, ainda não foste à Índia? 

quinta-feira, 4 de junho de 2015

31.


- Se a literatura pede licença, a licença é nossa.

- Antes o último vivo da Terra que uma caveira de apocalipse.

- Às tantas já tinhas a intuição bem trabalhada. Era inevitável, o instinto de sobrevivência, essa reacção anti-alérgica, os anti-corpos a reagirem. Agora já te defendes de antemão, até à contra-mão. Apurado apurado. 

- Teu amor de piedade não comanda o destino. 

- Só um Deus pode sustentar um absurdo. 

- Em Portugal mostra-se e logo lhe dizem: vai mostrar lá fora, vai mostrar lá fora... 


- Escrevemos com outros com os outros contra os outros: ler é mais importante que escrever. 

- Se há algo que o afogamento na multidão nos dá a ver de bom é o nosso próprio afogamento. E o colete de forças transformado em colete de salvamento. Do nosso colete de forças, do nosso afogamento. 

- A fotografia continuação do corpo carácter postura olhar sobre o mundo. A fotografia continuação do mundo. Do mundo que é um olhar, um respirar, um trabalho do seu próprio trabalho. 

terça-feira, 2 de junho de 2015

Jamor

Na bancada de imprensa tinha de me conter. Ali o adepto não existe, há um muro invisível resistente, fartei-me de dar murros nesse muro. De quando em quando lá me distraía, se este de quando em quando serve para dizer alguma coisa é que não era de vez em quando mas apenas nas alturas em que não há mesmo outro remédio. Já usar o rosto é mais fácil, sofrido ou alegre, ansioso ou eufórico, uma boa máscara consegue sempre esconder tudo - não fosse na distracção o meu corpo sportinguista começar a agir por conta própria. Disciplina férrea, é o que é. Os jogadores no campo que fizessem o seu trabalho que eu sofria o meu. Pago em acreditações e sem outro remédio que não acreditar. Já usar os olhos é muito mais fácil. Quando o árbitro tão lesto a expulsar Cédric tinha mesmo de ter expulso Baiano, os adeptos viravam-se para a nossa bancada e diziam bem alto de viva voz: «escrevam, escrevam a verdade, denunciem esta roubalheira»*. Foi a primeira vez que o meu corpo agiu por conta própria, com um movimento de pescoço a mover o crânio de cima abaixo, qual assentimento. Sim, sim. Ao intervalo, nem foi preciso, olhos nos olhos bastavam-me para dizer sou tão ou mais sportinguista que vocês. De resto, era o que era, o jogo que era, o Braga ia ganhar, não era? Quem acreditava? Acreditava o Marco Silva, acreditavam os jogadores, não sei se acreditava um benfiquista que tirava fotos lá em baixo e me dizia ao telemóvel «fica descansado  que vais a prolongamento». Vou, vou, respondia eu. Não, não acreditava, se acreditava mais era que o Braga nos abafava de vez, meu pessimismo aliás não é de acreditar em reviravoltas, no meu clube então é onde mais se acentua, trauma daqueles dezoito anos a ter de dizer é para o ano. Como não havia de compreender os adeptos em debandada enquanto as más línguas das rádios falavam no Carrillo "nulidade", no William Carvalho "a gasóleo", no Adrien "sem chama"... Até que entra Mané e mexe com o jogo, depois entra Fredy Montero e mexe ainda mais, sim, o jogo começava a mexer. Mané a defesa direito? Siga, Slimani insiste, insiste. Até que a seis minutos do fim, a hemorragia começou a estancar, o argelino marcou, muitos adeptos paravam à entrada da maratona, outros recuaram. Depois, com tanto anti-jogo bracarense, seis minutos de desconto, que além de naturais, nem seriam necessários... É que ao minuto 90+3 acontece um daqueles momentos míticos, únicos, impossíveis de esquecer a quem ame aquele emblema e aquelas cores: Montero, após magistral passe longo de Paulo Oliveira, usa da frieza clínica e marca. Marca e o Jamor vem literalmente abaixo, mais adeptos a regressar, adeptos regressados a subirem outra vez para as bancadas. Um sobe as escadas, passa por mim, batemos as mãos num cumprimento tão forte como marcador de um momento: tínhamos conseguido. Alcançado o mais difícil dos cumes, o Braga não arranjaria forças para (lá) chegar onde nós estávamos. Esse lugar onde já conseguíamos vislumbrar a glória. Essa glória que é o derradeiro passo do nosso lema. Reaprender a ganhar tem a ver com isso. Com estes momentos. Com estas conquistas. Num jogo inteiro derrotados desde os 15 minutos com menos um jogador, a perder 2-0 desde os 25 com criativos como Carrillo em sub-rendimento, com William e Adrien a jogarem tão pouco num meio campo com um a menos  - e a falta que teria feito João Mário...
Marco Silva explicara no balneário ao intervalo porque é que ninguém saía dali para o campo se não acreditasse na reviravolta. A mesma reviravolta já alcançada na Alemanha e literalmente roubada à beira do fim pelas conveniências de um patrocinador russo. Não, não é uma questão de sermos o segundo clube do mundo com mais títulos em todas as modalidades, ou de sermos o primeiro com mais títulos olímpicos. Não, a questão é mesmo o presidente não mandar o treinador embora. 

* - a propósito Luciano Amaral toca e bem no nervo. Sem mais comentários.  É da maneira que ainda dá mais gozo