domingo, 29 de maio de 2011

Futebol do além


Torci pelo Manchester United, antes tinha torcido pelo Real Madrid. Embirrava com o Barcelona e todo aquele unanimismo sobranceiro à volta do "indiscutível Barça", ignorando arbitragens de vergonha em jogos decisivos e o mais despudurado anti-desportivismo que há memória. 
Dito isto, ontem converti-me. À grande. O Barcelona 2011 de Guardiola é a melhor equipa de futebol da minha vida. E a minha memória das grandes equipas vai até ao Brasil de 82.
Este Barça é talvez a mais espectacular, implacável, eficaz e temível máquina de futebol jamais criada pelo ser humano. Fortíssima em todos os sectores, joga puro futebol de ataque sem nunca perder coesão defensiva, irrepreensível tacticamente, põe logo os adversários em sentido com terror de perderem a bola e o problema é que não só a perdem tantas vezes como depois muito dificilmente conseguem recupera-la, parecem então uns aldeões cercados por uma legião romana, prontos a serem pilhados ou coisa pior. Ninguém melhor do que Mourinho percebeu isso.  
Em suma, uma equipa de uma outra dimensão muito além da concorrência, e com toda a vontade irresistível de dar espectáculo com requintes de sadismo, de baile, de patinagem artística.
Talvez só daqui a vinte anos se volte a ver algo parecido. Quem não assistiu à final de Wembley arranje maneira. Com aquela segunda parte até o Pacheco Pereira se embevecia. 

domingo, 22 de maio de 2011

Minnie, Moskowitz & Cassavetes


"Minnie & Moskowitz" joga com o romance improvável entre um quase vagabundo e uma sensivel curadora de museu. Ela em crise existencial e amante de um homem casado, ele acabado de chegar a Los Angeles e vivendo biscate a biscate. Mal o estranho acaso os põe em contacto as coisas começam a acontecer. Dá-se o clique, gera-se entre os dois uma energia colossal, uma montanha russa de emoções. No final já não conseguirão viver um sem o outro.
A viagem porém é tortuosa, difícil, num equilíbrio precário, pronto a explodir-se, mas quiçá única via de se poder chegar ao amor (quase) impossível num romance contra todas as possibilidades, género de agulha num palheiro.
Mesmo num registo de comédia, "Minnie & Moskowitz", tal como todos os outros filmes de John Cassavetes, tem como tema a viagem emocional dos personagens, não tanto a acção propriamente dita. Com interpretações absolutamente notáveis, só mesmo possíveis com uma total confiança e segurança no realizador. Não é por acaso que o circulo dos actores "cassavetianos" anda sempre à roda dos mesmos. Sente-se ali intimidade, cumplicidade, amizade. De outra forma a cena não pegaria daquela maneira, não teria aquela fluência. Afortunadamente está lá Gena Rowlands, a actriz da minha vida, casada precisamente com John Cassavetes. Há casal mais exaltante que este? 

sexta-feira, 20 de maio de 2011

sábado, 14 de maio de 2011

Moral da Scut




Mais dois dias de campanha e ninguém pegou nisto.

Catroga


Já não há palavras que classifiquem o topete, a atitude vale tudo e a desonestidade desafiante de Eduardo Catroga. A não ser dizer que tarda nada Catroga é um adjectivo, ou um estado mental referente a estar, isso mesmo, catroga. 
Agora o personagem que ele próprio criou diz in extremis que tem andado acelerado. Tentou fazer de policia mau mas a coisa não correu como queria. De Hitler já ninguém o livra, de César Monteiro muito menos...

sábado, 7 de maio de 2011

terça-feira, 3 de maio de 2011

Recomeços

O Nem Paz, Nem Guerra, onde tive o gosto de escrever, está de volta. Com o meu irmão ao volante e depois de uma valente guinada à esquerda. Mas vai em frente e cheio de força, espero. Um blogue de e do combate para o combate.
Decidi reactivar o Céu Aberto para pôr lá textos, que como diz o Artur Jorge, se não calhar não cabem aqui. Coisas inúteis que saem do esconderijo e vêm apanhar ar.